Os Seis Estágios do Desequilíbrio Segundo a Ayurveda

Os Seis Estágios do Desequilíbrio Segundo a Ayurveda

A Ayurveda, uma antiga ciência médica indiana, enfatiza a importância de prevenir desequilíbrios antes que eles se manifestem fisicamente. Segundo essa tradição, as emoções são o primeiro fator de desequilíbrio do sistema, podendo agravar-se a ponto de afetar o corpo físico. A prevenção é, portanto, o principal objetivo desta medicina. Quando os desequilíbrios são identificados em estágios iniciais, medidas simples podem ser tomadas para retornar ao equilíbrio natural. No entanto, à medida que os desequilíbrios avançam e atingem canais, tecidos ou órgãos, a reversão se torna mais difícil. Conheça os seis estágios do desequilíbrio de acordo com a Ayurveda:

1. Acúmulo

Neste estágio, ocorre o acúmulo dos doshas – Vata, Pitta e Kapha. Quando desestabilizados, esses doshas desequilibram o funcionamento do corpo. Para prevenir esse acúmulo, é essencial seguir uma dieta específica para cada constituição, evitar sentimentos excessivos como medo, tensão e angústia, e manter um sono adequado.

2. Agravamento

No estágio de agravamento, a pessoa começa a sentir sintomas de desequilíbrio do dosha predominante. Este ainda é um momento propício para corrigir os desequilíbrios. No entanto, se negligenciados e tratados apenas com soluções paliativas, os distúrbios evoluem para o estágio de transbordamento.

3. Transbordamento

Caracterizado quando o dosha acumulado começa a se espalhar e circular pelo corpo, o transbordamento é geralmente o estágio em que as pessoas procuram ajuda médica. Sintomas como dores passageiras, fadiga e tristeza são comuns. Aqui, o desenvolvimento da doença começa, embora a causa nem sempre seja tratada, apenas os sintomas.

4. Dispersão

Na dispersão, a doença se manifesta fora de seu local principal, interrompendo a função de um tecido ou órgão. Diversos fatores determinam onde o dosha se instalará, pois cada pessoa tem locais mais sensíveis à doença. Nesta fase, exames clínicos são frequentemente realizados para diagnosticar o problema.

5. Consolidação

Neste estágio, a doença se manifesta plenamente. O funcionamento dos tecidos é interrompido pelos doshas desequilibrados. Por exemplo, um aumento de Kapha pode levar ao acúmulo de secreção na cabeça, pescoço e garganta.

6. Diversificação

A doença se torna crônica, provocando mudanças patológicas nos tecidos e órgãos e se espalhando por todos os sistemas. Medidas intensas de tratamento são necessárias para restaurar as funções normais do organismo. Exemplos incluem sinusite crônica e inflamações recorrentes de garganta.

Quanto mais conscientes estivermos em relação à mente, corpo e emoções, mais alertas seremos às reações e mudanças no organismo. Assim, podemos cuidar melhor de nós mesmos, buscar qualidade de vida e reduzir os riscos de doenças.